Copyright © 2019 Bomache - Voleio Indústria de Confecções Ltda - CNPJ 15.537.572/0001-81 • 85 3444.7000

  • Grey Instagram Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Bomache

A evolução dos uniformes esportivos no futebol.

Atualizado: 19 de Dez de 2018

Para quem vê tecidos tecnológicos, leves e com design arrojado, não imagina como eram os uniformes no começo da prática futebolística.

Foto: Divulgação Paysandu

Matéria prima


Para quem vê tecidos tecnológicos, leves e com design arrojado, não imagina como eram os uniformes no começo da prática futebolística e como eles evoluíram. Os uniformes eram pesados, com modelagem imprópria para a prática e padrões que comumente chocava-se com o do adversário e geravam confusão nas partidas.


Nos primeiros dias do futebol, mais precisamente na década de 1870, as equipes usavam via de regra camisas de algodão com botão e longas calças brancas com cinto. Era basicamente uma roupa de gala na época. As camisas normalmente tinham apenas uma cor, pois tecidos de algodão coloridos eram caros. Nos primórdios o esporte era praticado na Inglaterra e jogado por estudantes que pagavam do seu próprio bolso as vestimentas.


Com o início da profissionalização, ingressos começaram a ser cobrados e os teams passaram a ter verba para adquirir os uniformes. Daí um problema começou a virar rotina: por terem pouca diferenciação, os uniformes começaram a coincidir as cores. Foi a partir de então que surgiu a necessidade de ter um segundo padrão.


Na década de 1930 o pesado tecido de algodão, que absorvia o suor dos atletas e pesava muito, foi substituído pela malha de algodão. O novo tecido era mais leve e abria a possibilidade de novos processos, como costura, cores e a utilização de cadarços nas golas. As bermudas continuavam com pano grosso e largo, mas o cinto foi substituído por cordinhas para amarração. Nesta época usavam-se gorros para não machucar a cabeça com a costura da bola.


Poliéster


Anos passaram e somente na Copa do Mundo de 1986 a indústria trouxe uma novidade que viria a mudar o futebol: o Poliéster. Tecido leve, brilhante e com estrutura sublimável trouxe outro nível de possibilidades de cores, desenhos e patrocínios.


A Copa de 1994 ficou marcada pelo fim da era algodão e o início dos tecidos 100% poliéster. A criatividade e a experimentação visual tomaram de conta dos uniformes. Camisas como a da Alemanha de Matthäus e Klinsmann, do Brasil tetracampeão, da Holanda dos irmãos de Boer ficaram marcadas na mente dos futebolistas. Outras, como as de Camarões e da Nigéria, geraram opiniões divergentes graças à sua excentricidade. Esteticamente, vale salientar que as duas seleções são conhecidas pelas novidades, como a polêmica camisa sem mangas camaronesa em 2002, o uniforme camaronês peça única em 2006 e a coleção nigeriana de 2018 que esgotou o estoque em poucas horas.


O Poliéster tradicional, mesmo sendo mais leve que o algodão, tinha seus problemas: ainda retia suor, incomodando os atletas, pois era desconfortável (em outras palavras, “pinicava” a pele), e exalava um forte odor de suor após as partidas.


Já no fim do século XX foi desenvolvida uma tecnologia que permitia os tecidos das camisas transpirarem melhor. A evolução da fibra de poliéster e a mudança da estrutura de trama dos fios permitiram a melhor evaporação do suor (o que consequentemente tornava-os ainda mais leve e trazia uma sensação de frescor) e um melhor toque.


Evolução


Atualmente o poliéster pode ser misturado ao elastano ou poliamida para dar uma nova elasticidade e manter a transpiração, além de ter uma modelagem mais trabalhada, com caimento moderno e melhor.


Da mesma forma os processos utilizados nas peças tendem a melhorar o desempenho e o design. Que seja uma gola ou manga estilizada, um processo de embossing, escudo em PU termo transferido, modelagem, sublimação e recortes diferenciados, não importa! Cada camisa já nasce com uma história e vida próprias.


A busca por materiais que permitam os atletas performarem melhor e o foco no estilo, e nas necessidades e desejos do torcedor fazem da confecção esportiva um ramo complexo. Neste segmento a Bomache tem se destacado. Indústria especializada em materiais esportivos e referência no mercado nacional, desenvolvendo soluções customizadas para agremiações esportivas que buscam se diferenciar e se desenvolver.


#bomache #materialesportivo #camisadefutebol #tecnologia #futebol